“Me sentia mal pois mesmo tendo um trabalho, eu não conseguia compartilhar com minha família, precisaria de mais cinco salários para eu e minha família comermos bem” - Marco

Por Ana Clara Bernardes e Amanda Palácio

Marco, 20 anos, deixou a Venezuela devido à crise em 2018. Decidiu vir morar no Brasil porque, em comparação com a Colômbia, para onde muitos venezuelanos têm migrado, o Brasil é maior e ele acha que existem mais chances para ele aqui do que na Venezuela. Em seu país natal, Marco tinha uma rotina pesada. Trabalhava como motorista e tinha que acordar às 04:00 da manhã para fazer a revisão nos carros. O jovem conciliava o emprego com a faculdade de turismo.

O principal motivo que o fez vir para o Brasil foi a falta de estabilidade financeira da família. Ele se tornou responsável pela manutenção dos gastos da sua antiga casa e cuidava da mãe e irmã desde que o pai faleceu. Ele relembra, com tristeza, que em determinado momento o salário que ganhava como motorista não conseguia mais suprir as necessidades de sua família. 

Marco comenta que no início de sua adaptação no Brasil a barreira linguística era a mais difícil de superar. O pouco de português que sabe foi assimilado, por ele, com muito esforço e determinação. Infelizmente, contou ter sofrido xenofobia por parte dos brasileiros por ser venezuelano. Mas isso nunca foi motivo para que ele desistisse de tentar trabalho no Brasil.

Marco, hoje mora no Abrigo Rondon 1, e prefere permanecer no Brasil pois acredita que terá mais oportunidade de emprego para ajudar sua família e garantir uma melhor qualidade de vida, principalmente para sua irmã que está doente e necessita de remédios que na Venezuela não são mais acessíveis. Apesar de tudo, afirma que tem muito carinho pelo seu país de origem e que sente orgulho em ser venezuelano. Seus planos de retorno se limitam apenas a visitar os amigos e parentes que ainda estão morando na Venezuela. Antes mesmo da eclosão da crise na Venezuela Marco já pensava em mudar-se de país e já pesquisava sobre a cultura de outros países, inclusive, a brasileira.